O calendário Muçulmano. A conversão do calendário Gregoriano

O calendário Muçulmano. A conversão do calendário Gregoriano

Esta página existe graças aos esforços das seguintes pessoas:

Timur

Timur

Julia Gomes

Criado: 2021-05-29 03:41:10, Ultima atualização: 2021-05-29 03:41:10
Creative Commons Attribution/Share-Alike License 3.0 (Unported)

Este conteúdo é licenciado de acordo com a Licença Creative Commons de Atribuição/CompartilhaIgual 3.0 (Unported). Isso significa que você pode redistribuir ou modificar livremente este conteúdo sob as mesmas condições de licença e precisa atribuir ao autor original colocando um hyperlink para este trabalho no seu site. Além disto, favor não modificar qualquer referência ao trabalho original (caso houver) que estiverem contidas neste conteúdo.

Aqui está uma calculadora que converte a data do calendário gregoriano em uma data do calendário muçulmano.

PLANETCALC, conversor de calendário gregoriano para muçulmano

conversor de calendário gregoriano para muçulmano

Data islâmica
 
Número de dias em um ano
 
Dia da semana
 



Como de costume, aqui estão algumas informações (na verdade, eu descobri tudo isso agora).

Várias definições:
Calendário solar — calendário, que é baseado no ano tropical.
Ano tropical - o intervalo de tempo entre duas passagens sucessivas do Sol através do equinócio vernal.
Duração do ano tropical - 365,242196 dias
Durante o ano tropical, há uma mudança completa de estações.

Calendário lunar - calendário, que é baseado no mês sinódico.
Mês sinódico - o período da revolução da Lua em torno da Terra entre as duas novas luas.
Duração do mês sinódico - 29.53059 dias
Durante o mês sinódico, há uma mudança completa das fases da lua.

O tão conhecido calendário Gregoriano é solar, mas o calendário Muçulmano é lunar.
Um ano no calendário muçulmano consiste em 12 meses, que se alternam entre 30 e 29 dias. O último mês consiste em 29 dias e, durante um ano bissexto, é estendido para 30 dias. Sem a introdução de anos bissextos, a duração média dos meses do ano seria estritamente de 29.5 dias, o que nos daria um grande erro. Anos bissextos seguem um ciclo de 30 anos e caem nos 2, 5, 7, 10, 13, 16, 18, 21, 24, 26 e 29 anos do ciclo. Dessa forma, cada 30 anos contém 19 anos normais de 354 dias e 11 anos bissextos de 355 dias. Portanto, a duração média do ano será aproximadamente igual a 354.366(6) dias, e o mês será igual a 29.5305(5) dias, o que é muito mais próximo da duração do mês sinódico.

Uma vez que o calendário é baseado na lua e o ano lunar é mais curto que o ano solar, o mês não está vinculado às estações e a cada ano elas estão mudando por cerca de 11 dias em relação ao calendário solar.
Falando de modo geral, antes, nos tempos pré-Islâmicos, os árabes utilizavam um calendário solar-lunar, e havia um mês 13, que introduzia uma emenda ao ano solar para que o mês permanecesse preso às estações.
Entretanto, em 631 d.C., o Profeta Muhammad proibiu adicionar esses dias e o ano Muçulmano tornou-se estritamente lunar. Dessa maneira, por exemplo, o mês do Ramadã, cujo nome em árabe significa "queimar", pode acontecer no inverno.

O início da cronologia ou era (veja o Antigo sistema Russo (Bizantino) de cronologia) no calendário Muçulmano é a data da expulsão de Maomé de Meca para Medina, ou Hidzhry (Hegiræ). Os dias do calendário muçulmano são contados a partir do pôr do Sol, então o pôr do Sol do dia anterior começou 1 dia 1 mês 1 ano de exílio (Anno Hegiræ "Ano da Hégira", A.H.)
O calendário Juliano (o Gregoriano ainda não existia) era 16 de julho de 622 d.C.

O calendário da calculadora é o mais comum no mundo Islâmico; o calendário secular (civil), o início do mês, é determinado astronomicamente. Tradicionalmente, acredita-se que o novo mês começa com o momento em que, pela primeira vez após o pôr do Sol, o crescente da lua nova se torna visível, e os clérigos Islâmicos conseguem confirmá-lo. Portanto, o início do mês pode depender da localização do observador, clima, visibilidade, etc.

URL copiado para a área de transferência
PLANETCALC, O calendário Muçulmano. A conversão do calendário Gregoriano

Comentários